O Município

Dados do município

Dados do município/localização

Fundação: 13/12/1991
Emancipação Política: 20 DE DEZEMBRO
Gentílico: AURORENSE
Unidade Federatíva: BRASIL
Mesoregião: NORDESTE PARAENSE
Microregião: GUAMÁ
Distância para a capital: 205,00

Dados de características geográficas

Área: 1.811.827,00
População estimada: 26546
Densidade: 1.655,00
Altitude: 50
Clima: QUENTE E CHUVOSO
Fuso Horário: UTC-3
O Município de Aurora do Pará foi desmembrado dos Municípios de Irituia e São Domingos do Capim, que por sua vez teve origem ligada às incursões portuguesas nos rios Capim e Guamá, de tal forma que crônicas mais antigas mencionam-se como povoação que foi levada à categoria de freguesia em 06 de junho de 1758, sob o nome de São Domingos da Boa Vista. Nesta condição ficou, passando a fazer parte do Município da Capital a partir de 1833, sendo elevado à categoria de vila em 1890. Foi então criado, a partir dessa vila, o Município de São Domingos da Boa Vista, cujo território foi formado do desmembramento do Município de Belém. A 19 de agosto de 1932, pelo Decreto Estadual de nº 720, passou a denominar-se São Domingos do Capim, formado apenas pelo distrito-sede. Em 1943, com a divisão territorial do Pará, passou a chamar-se apenas Capim, tendo sido reduzido seu território em 1.249 Km², para aumento da área do Município de São Miguel do Guamá Tais cortes foram se sucedendo, sendo que o último deu origem ao Município de Aurora do Pará. Assim como em outros Municípios, passada a fase hidroviária de desenvolvimento, o processo de ocupação do "planalto" com terra firme e matas altas, exemplificado pela antiga vila Aurora ou Km 58, iniciou-se no final da década de 50, quando da abertura da Belém-Brasília, com a exploração de madeira e posteriormente com a agricultura.
O Município de Aurora do Pará foi desmembrado dos Municípios de Irituia e São Domingos do Capim, que por sua vez teve origem ligada às incursões portuguesas nos rios Capim e Guamá, de tal forma que crônicas mais antigas mencionam-se como povoação que foi levada à categoria de freguesia em 06 de junho de 1758, sob o nome de São Domingos da Boa Vista. Nesta condição ficou, passando a fazer parte do Município da Capital a partir de 1833, sendo elevado à categoria de vila em 1890. Foi então criado, a partir dessa vila, o Município de São Domingos da Boa Vista, cujo território foi formado do desmembramento do Município de Belém. A 19 de agosto de 1932, pelo Decreto Estadual de nº 720, passou a denominar-se São Domingos do Capim, formado apenas pelo distrito-sede. Em 1943, com a divisão territorial do Pará, passou a chamar-se apenas Capim, tendo sido reduzido seu território em 1.249 Km², para aumento da área do Município de São Miguel do Guamá Tais cortes foram se sucedendo, sendo que o último deu origem a Ipixuna e Aurora do Pará.

Assim como em outros Municípios, passada a fase hidroviária de desenvolvimento, o processo de ocupação do "planalto" com terra firme e matas altas, exemplificado pela antiga vila Aurora ou Km 58, iniciou-se no final da década de 50, quando da abertura da Belém-Brasília, com a exploração de madeira e posteriormente com a agricultura. A maioria dos trabalhadores era constituída de nordestinos e muitos vinham através dos convites de conterrâneos que já estavam na região considerada por eles como a terra da promissão, o verdadeiro "Eldorado".

Em 1960, muitos deles já haviam abandonado a região, vitimados pela alta incidência de malária, quando começou a chegar nova onda de imigrantes tencionando fixar-se. Entre eles estavam Antônio Alves (conhecido como barbeiro) e mais dois campinenses que fizeram roçados e construíram seus barracos no Km 58. Em 1963, Antônio instalou uma barbearia, o primeiro estabelecimento de serviços da antiga localidade de vila Aurora, em virtude de seu roçado não estar dando resultados suficientemente positivos.

A imigração continuava, sendo constituída principalmente de cearenses e poucos paraenses, que dedicaram-se ao cultivo de algodão e da malva, além do roçado. Com a penetração da colônia japonesa (entre as décadas de 70 e 80) oriundo de Tomé-Açu, face a disseminação da fitopatologia naquela localidade, houve a expansão do plantio de pimenta-do-reino, hoje também em decadência.

Em 1966, a Prefeitura de São Domingos do Capim reivindicou a administração do local, o que resultou em conflitos políticos, chegando a serem usadas correntes para impedir o tráfego de veículos para São Domingos do Capim, estas arrebentadas pelo Prefeito de Irituia, tal fato veio ocasionar o desinteresse pela posse e administração da vila Aurora, pelo então Prefeito de São Domingos.

Em 1972, iniciou-se a demarcação dos limites territoriais dos Municípios, que não foi concluída por desentendimentos políticos entre os dois Municípios, o que novamente resultou no abandono temporário, por ambos, de vila Aurora.

Em 26 de outubro de 1990, a Prefeitura de Irituia através do Ofício nº 080/90, comunica que a área territorial que constituía posse de vila Aurora, passaria a pertencer efetivamente a São Domingos do Capim, inclusive a Escola Estadual Hildeberto Reis. A emancipação do Município de Mãe do Rio foi um fator que acelerou decisivamente o desejo emancipacionista dos aurorenses, o que se deu em conjunto com os outros 22 Municípios, em dezembro de 1991.

Formação Administrativa Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Aurora do Pará, pela lei estadual nº 5698, de 13-12-1991, desmembrado de Irutuia e São Domingos do Capim. Sede no distrito de Aurora do Pará ex-localidade do município de São Domingos do Capim. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1993.

Em divisão territorial datada de 1-VI-1995, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

O Município de Aurora do Pará é um dos maiores produtores de farinha de mandioca do nordeste paraense, tendo também sua pecuária bastante desenvolvida nesta região. Temos como recursos naturais o minério Caulim, em bastante abundância em nosso município é:

Mesorregião: Nordeste Paraense

Limites : Mãe do Rio, Capitão-Poço, Ipixuna do Pará, Concórdia do Pará

Acesso Rodoviário: BR-010 - na altura do km 263

Distância da Capital: 205 km

Gentílico: Aurorense
A cultura de Aurora do Pará é diversificada, sendo influenciadas por indígenas e imigrantes estrangeiros e nordestinos. A diferenciação cultural dos aurorenses evidencia-se através das manifestações religiosas, da gastronomia, do folclore, danças, músicas, etc. A Cidade situada no nordeste paraense desponta como grande roteiro turístico do Brasil, como rios, igarapés festas tradicionais como cavalgada, vaquejada e quadra junina, gerando uma excelente oportunidade para investimentos turísticos.
O Município de Aurora do Pará foi desmembrado dos Municípios de Irituia e São Domingos do Capim, que por sua vez teve origem ligada às incursões portuguesas nos rios Capim e Guamá, de tal forma que crônicas mais antigas mencionam-se como povoação que foi levada à categoria de freguesia em 06 de junho de 1758, sob o nome de São Domingos da Boa Vista. Nesta condição ficou, passando a fazer parte do Município da Capital a partir de 1833, sendo elevado à categoria de vila em 1890. Foi então criado, a partir dessa vila, o Município de São Domingos da Boa Vista, cujo território foi formado do desmembramento do Município de Belém. A 19 de agosto de 1932, pelo Decreto Estadual de nº 720, passou a denominar-se São Domingos do Capim, formado apenas pelo distrito-sede. Em 1943, com a divisão territorial do Pará, passou a chamar-se apenas Capim, tendo sido reduzido seu território em 1.249 Km², para aumento da área do Município de São Miguel do Guamá Tais cortes foram se sucedendo, sendo que o último deu origem a Ipixuna e Aurora do Pará.

Assim como em outros Municípios, passada a fase hidroviária de desenvolvimento, o processo de ocupação do "planalto" com terra firme e matas altas, exemplificado pela antiga vila Aurora ou Km 58, iniciou-se no final da década de 50, quando da abertura da Belém-Brasília, com a exploração de madeira e posteriormente com a agricultura.
MALÁRIA
Aurora do Pará na década de 60 ainda conhecida por km 58 ou Eldorado, ficou marcada pela grande demanda de imigrantes devido a área grandiosa de matas virgens propicia para o manejo florestal e extração de madeiras para as serrarias que existiam. Mas com o passar do tempo alguns imigrantes iam embora, fugindo da alta incidência de malária que assolava a região, onde chegou a causar várias vítimas fatais.

HINO DO MUNICIPIO DE AURORA DO PARÁ

A nordeste deste estado
Surge uma luz de intenso fulgor,
É a aurora de um novo tempo
De glória, paz e amor

Terra mãe da esperança
Antes, filha de outras mais,
Laço forte materno de maor
Que nem o tempo desfaz

Capiense, forte, destemido,
Valente, é história sem fim
O teu sangue é tão fluente
Quanto o rio majestoso capim

Sob o solo descansam os bravos
Pioneiros da vila de outrora,
Mas, teu povo revive sonhos
Ao despertar de aurora.

BRASÃO DO MUNICIPIO DE AURORA DO PARÁ


BANDEIRA DO MUNICIPIO DE AURORA DO PARÁ


NOTÍCIAS

#Administração | 14 DE ABRIL DE 2021

Respeite o DISTANCIAMENTO SOCIAL, evite AGLOMERAÇÕES e use MÁSCARAS!

#Saúde | 05 DE ABRIL DE 2021

Ao se proteger, você estará protegendo o seu próximo.

| 05 DE MARçO DE 2021

OUVIDOR, O AGENTE DE MUDANÇA NA DEFESA DOS DIREITOS DO CLIENTE/CIDADÃO, USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS.

Qual o seu nível de satisfação com essa página?


Muito insatisfeito

Um pouco insatisfeito

Neutro

Um pouco satisfeito

Muito satisfeito